Quarenta e dois Norte

Nunca havia passado a norte dos lados de Coimbra, dizia. Era um provável contorno involuntário da verdade, porque certamente já o tinha feito em trabalho, mas não era de trabalho que se falava então, era de emoção, e essa, repetia, a norte de Coimbra não existia. Como podia isso ser, pensava, se é a norte, no Norte, que está a alma (para quem a tem lá). Era preciso corrigir isso.

O ponto que separa Portugal da Galiza é necessariamente diferente daquele que o separa da Andaluzia, não só porque são dois rios diferentes, porque num se quebram os ossos ao entrar na água e no outro sempre se tolera melhor, ou porque as núvens e a chuva são de outra espécie. São diferentes porque as pessoas são outras, porque o vento é outro, as cores e os montes são outros, como a areia que a praia tem. O Minho, esse Norte, é um Norte diferente, é cardeal, definidor, o Minho das águas geladas, da nortada agreste que salpica a pele com a areia, e do calor tórrido que se sente quando se deixa o mar e se entra nas serras, dos povos com sacholas em terra dura de seixos, as mulheres com bigode, nas feiras com collants por cima dos pêlos das pernas e por cima destas as meias brancas com raquettes e as socas de madeira. A vender pitos, ovos, e couves, entre alfaias agrícolas, facas e panelas, grelhas e loiças.

O Minho das princesas carregadas de ouro – o ouro disfarça as outras joias que lhes habitam o corpo, porventura menos peludas que as das mulheres das feiras – nas procissões da Agonia, dos gigantones e dos bombos, das bolas do Natário, do Minho dito rio, do Lima, do Cávado, dos enormes penedos da Peneda, a desolação de Castro Laboreiro, no planalto, naquela estrada que segue sozinha até acabar num estendal isolado de algum eremita.

O Minho da Arga, onde as nuvens que chegam do Atlântico nos tocam o nariz, o vale do Lima se abre de um lado, e do outro Caminha, Cerveira, e o rio que nos separa da Galiza, espaço natural de namorados, uma teimosia da água a separar duas terras tão parecidas, de gente tão igual.

Como podia isso ser, de não passar a norte de Coimbra? Se foder no Minho é sempre tão diferente de foder aqui em baixo?

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

2 Comments

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *