Baixo, gordo, careca, pobre

Não tenho nada para te dar. Não tenho nada para ti. Sou baixo, sou gordo, sou careca, sou pobre. Tenho umas boas mãos, são quentes, sei tocar os pontos todos que arrepiam, sei explorar os pedacinhos de pele que causam frio e calor, sei libertar as torrentes do teu sumo. Tenho um bom caralho, de boa gente, apresentável, competente, honesto. Tenho um bom conjunto de neurónios, articulo ideias, transporto do vazio à gargalhada sem suar. E no entanto, ainda assim e apesar de tudo, todos os dias me convenço que não tenho nada para te dar. Porque sou baixo, sou gordo, sou careca, sou pobre.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

3 Comments

  1. E então?…
    Se ela gostar das tuas mãos, do teu caralho, do teu intelecto, é porque gosta também de ti baixo, gordo, careca, pobre. E?…
    Tomara muitos homens altos, magros, com uma boa cabeleira e ricos, terem umas boas mãos, um caralho decente e inteligência viva! Digo eu…

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *