Não tenho nada para te dar. Não tenho nada para ti. Sou baixo, sou gordo, sou careca, sou pobre. Tenho umas boas mãos, são quentes, sei tocar os pontos todos que arrepiam, sei explorar os pedacinhos de pele que causam frio e calor, sei libertar as torrentes do teu sumo. Tenho um bom caralho, de boa gente, apresentável, competente, honesto. Tenho um bom conjunto de neurónios, articulo ideias, transporto do vazio à gargalhada sem suar. E no entanto, ainda assim e apesar de tudo, todos os dias me convenço que não tenho nada para te dar. Porque sou baixo, sou gordo, sou careca, sou pobre.