Quando encontramos algo que nos agrada e se torna alvo do nosso desejo, o que é natural fazer-se? Que vontade temos? Queremos envolver-nos com o objecto do nosso desejo, queremos rodear-nos dele, queremos que o desejo nos cubra em todos os milímetros do corpo, como se mergulhássemos inteiramente naquilo que desejamos e nos tornássemos unos. Essa é a reacção normal. Eu vejo, eu sinto, eu quero, eu tomo.

Às vezes, porém, eu vejo, eu sinto, eu quero, mas não tomo. As pessoas não tomam. Não interessa porquê, porque as razões são tantas que é impossível elencar. E o que acontece quando o objecto de desejo está à vista, parece possível tomá-lo, mas não se toma porque algo impede? Fantasia-se. Pensa-se que se pode, que se consegue, que é uma questão de remover um ou outro obstáculo, mudar uma coisa ali, uma coisa acolá. Mas se o tempo passar e o desejo não for a piscina do nosso mergulho, a alma encrava. Olhamos, desejamos, e não nos banhamos. E é então que a solução se desenha. Foder tudo de uma forma tão explosiva que não sobre nada, na expectativa de não ver. Se eu vejo e parece possível, eu sonho e desespero. Se eu rebentar com tudo, eu deixo de ver e deixo de sonhar e deixo de fantasiar e deixo de desejar.

Aplica-se então o estrondo. Rebenta-se a bomba. Se uma não chega, rebenta-se outra. E depois do estrondo ficam cacos. O engraçado disso, ainda assim, é que dos cacos o Universo fez planetas, a atracção gravitacional não deixa os cacos soltos para sempre. E às vezes a bomba é só barulho, para enganar, para iludir. Por um tempo, até a gravidade fazer o que sempre faz.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

7 Comments

  1. Não me ando a sentir nada complementar… ehehehe mas eles lá devem saber o que fazem… “eles” tipo ficheiros secretos do dia a dia…

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *