O frio à vinda

As histórias, e os nomes, são fictícios, concedo, mas a mensagem não, não é fictícia. A Catarina e a Teresa partilham algo. Uma, e outra, têm um frio imenso que as trespassa depois do orgasmo. Para elas, à explosão de se virem, sobrevém um desconforto de tremuras que abalam o corpo. Os minutos que passam, resolvem. A pouco e pouco –  um pouco menos se tiverem a delicadeza de as aquecer – os corpos regressam ao normal, mas antes disso é o ártico. A Catarina viveu a sua sexualidade. A Teresa não. São um pouco a antítese uma da outra. Uma viveu o sexo e depois parou, a outra nunca o viveu e depois começou. Nenhuma delas fez algo errado (ou certo). Fizeram o que fizeram, o que sentiram querer fazer. E se as suas vidas não se afectaram com isso, então nada se pode dizer disso. As vidas são o que são. O frio então? A Teresa, naquilo que não fez, no tempo em que não fez, viveu numa cultura de forte censura do sexo, em que o sexo era, e é, entendido como um pecado, uma coisa feia e suja, que apenas tem lugar por insondáveis desígnios divinos para procriar, e se dessas pessoas dependesse, a procriação seria diferente nunca usando as partes. A Catarina, que viveu o sexo de forma mais intensa e depois sentiu desejo de abrandar, não terá sentido o sexo como sujo, mas terá sentido vontade de o tornar mais envolvente. E para uma, como para outra, o orgasmo tem memórias. Por razões tão diferentes, uma vem-se e lembra-se de um sexo porco, a outra vem-se e lembra-se de um sexo superficial. E a cabeça, que é malandra, manda os corpos sentir frio, porque de algum modo o orgasmo que tão bem lhes sabe lhes fala de coisas que não estão inteiramente resolvidas, ou que vieram desaguar, como águas soltas, em coisas que não sentem estar totalmente de acordo com aquilo que são.

Posted in Crónicas curvas

One thought on “O frio à vinda

Responder a Sofia Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *