Muitos anos. Dirias que muitos anos? Eu diria. Muitos anos esteve aquela figura a dizer umas coisas, escrever umas coisas, a dar-se, a dar de si. Veio o tempo em que ergueram à volta dele uma espessa cortina negra que o impedia de ver à sua volta, e só havia a luz que entrava pelo quadrado acima da sua cabeça, mas ele continuava a falar à sua plateia, a dizer coisas, a discursar, por vezes em desabafos quase mudos, sempre na ideia de que era ouvido, de que havia quem o escutasse. Quando a ferrugem rasgou os cabos que seguravam a espessa cortina, e esta se encolheu na poeira, entrou nele uma profunda tristeza. Olhando à sua volta não existia nada, só as cadeiras vazias e a desconfiança, quase certeza, de ter estado tanto tempo a falar sozinho.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

4 Comments

  1. Gosto.
    Fica a pergunta, foram mesmo os outros que ergueram a cortina à volta dele? Não teria sido ele próprio?

    Abraço.

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *