Virar

Gesticulavas com alguma violência, e depois afastavas-te, caminhando para longe, pontapeavas pedras no caminho e fixavas o olhar no horizonte, para depois voltar para perto de mim e gesticular de novo, ou bem pior que isso, atirar-me palavras afiadas, frases inteiras no fio da navalha a cortar fundo, e cada palavra era pior que a outra, e a raiva jorrava e dissolvia-se no vento fresco e eu tentava apaziguar-te, e esperavas que o fizesse, tu bem o dizias, que era a parte calma de ti, e tu a bater-me, e a dizer as coisas que o teu coração obrigava, e então segurei-te os pulsos, um deles atrás das tuas costas, o outro acima da cabeça, encostei-te ao carro e o meu corpo ao teu e disse-te, por fim, a um ouvido “Eu não sou um livro”, e depois de te beijar levemente, acrescentei ao outro ouvido “e não tenho páginas”.

Posted in Crónicas curvas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *