A cortina de veludo vermelho pendia de um varão acobreado, horizontal, separando duas paredes que compunham um provador bastante espaçoso. As paredes, pintadas em cinza escuro, aproximavam-se do chão preto e brilhante, que funcionava como um espelho perfeitamente polido, e ao fundo daquela sala, em oposição ao provador, estava um sofá branco, para três pessoas, e eu sentado do lado esquerdo, com o braço apoiado no sofá e a perna cruzada, ondulando o pé vagarosamente enquanto ouvia o barulho de cabides a despir-se da roupa que seguravam, e a cortina vermelha a ondular, a reagir à brisa que o teu corpo provocava sempre que te movias mais exuberante.

A tua mão surge e afasta a cortina, e encostas-te à parede, de lado para mim, com um vestido belo e saltos muito altos. E perguntas-me se gosto. Gosto, se gosto. Mas depressa te digo

tira tudo, mas deixa ficar os sapatos

e então descruzo as pernas, e tu caminhas em direcção a mim, no sofá branco, e eu sento-me ao meio, tu sobre mim, com um joelho de cada lado, e o peito ao nível da minha boca, e dizes-me que te lamba, e eu lambo, e delicio-me com os teus mamilos enquanto te seguro e a dado instante, a dado instante já me interessa muito pouco, se alguma vez, se o sofá é branco ou não.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

1 Comments

  1. São os pormenores que fazem toda a diferença.
    Às vezes são só pequenos detalhes, que se tornam determinantes.

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *