O tabuleiro está sobre as pernas, enquanto olhas a televisão ligada, que despeja umas notícias sem grande interesse, mas dizem do que o mundo teve enquanto estivemos fora, naquele espaço fechado e só nosso, onde não entra nada nem ninguém. O tabuleiro tem as coisas de que tu gostas, preparadas com carinho, com calor nas mãos e no coração que batia ao compasso do teu. Relógios afinados. Afinados estiveram também os corpos. Não era preciso dar-lhes corda. Ao menos isso. Nunca se perdera isso, o compasso que junta e geme, e cada pedaço de ti, cada pedaço de mim, pareciam puzzles fáceis de fazer, e nunca se perdera isso. Tinha sido curta a noite, distante dos 15 dias que julgávamos precisos para acalmar esta fogueira, e eu sempre na dúvida, como tu, de que talvez 15 dias não fossem suficientes. E no entretanto, o tabuleiro continuava sobre as pernas, a manhã galgava sobre nós, e o dia começava a cair sobre as nossas cabeças.