Ordem

No momento em que o telefone toca e o coração dispara, um dedo desajeitado desliza sobre o ecrã para atender e encostar o aparelho ao ouvido na expectativa do que dali viesse, e dali veio um sonoro fode-me. Como? Isso mesmo, fode-me. Não me obrigues a dizer mais, é muito complicado, leva muito tempo, e isto é a versão condensada. Fode-me por favor, e ele a pensar que isso nem é por favor, muito menos obrigação, e sim que te fodo, diz-me onde, diz-me quando, que te fodo agora, que te fodo já, e enquanto nos fodemos tu contas-me tudo com os teus olhos e eu com os meus, e com as mãos fazemos desenhos, e no meio de suspiros tudo será conhecido, é mais simples assim, talvez, e preciso tanto, precisas tanto, disto, de tudo isto, e se no fim disseres que não perdemos o jeito, se no fim disseres que somos animais, então o mundo está a girar à velocidade de sempre e no caos prevalece ainda alguma ordem.

Posted in Crónicas curvas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *