Adormece denso o nevoeiro na rua, caindo sobre as pessoas e as coisas, demorando-se no ar a espalhar humidade, uma humidade diferente da nossa, molhados um do outro deitados naquela cama, a tua perna sobre mim, os nossos corpos cansados e as minhas mãos a sentir-te a pele, essa pele, e eu dei sinais que precisava levantar-me, que era hora de desaparecer a coberto do nevoeiro denso, e as tuas pernas fecharam-se no meu corpo e os braços apertaram-me, as tuas mãos em mim e a dizeres-me que não vá, não vás, mas tenho de ir, não quero mas tenho de ir, e não vás, repetes, que não fosse. Que nunca mais fosse, que ficasse ali contigo, e voltas-te na cama ficando sobre mim, o teu corpo sobre o meu, os teus cabelos no meu rosto enquanto me beijavas e depois no meu ouvido o amo-te, o sou tua, fica aqui comigo e não entres no nevoeiro, não troques a minha humidade pela da rua, não te diluas lá fora para longe do meu olhar, do meu calor, da nossa cama, deixa-te ficar, que te quero aqui, e rodamos, estamos deitados lado a lado, a olhar-nos na penumbra de uma madrugada que chega ao fim, a acariciar-nos na pele quente, com os nossos pés juntos, as nossas mãos a encontrar-se, e o nevoeiro lá fora a cair sobre as pessoas e as coisas, mas não sobre nós.