Numa tirada rápida, com uma inflexão de discurso sem preparo, eis que ele lhe diz que, se pudesse, a fodia. “Como?”, isso mesmo. “Se pudesse, fodia-te”, e depois de uma pausa ligeira, que serve para centrar bem os olhares, insistiu, “e bem. Ias gostar”. Era isso que lhe queria dizer, que se pudesse a fodia bem. Mais do que muito, bem. Era preciso. Para reavivar os corpos da dormência, para reanimar os desejos profanos. Era urgente fazer algo a esse propósito.

“Sabes”, prosseguiu, “se te fodesse ia deitar-me atrás de ti. Ias sentir-te dominada. Segurava-te pelos pulsos atrás das costas e encostava-me a ti quase ao ponto de te penetrar”. Por aquela altura, lambiam-se os lábios. Admitia que a adrenalina lhe tivesse deixado a pele mais seca e a garganta mais necessitada de água, porque palavras, nenhumas, e o modo como procurava humedecer os lábios diziam-lhe que estava a crescer nela a excitação causada por um filme cujo final ela desejava muito. Mas reagiu então perguntando-lhe “e mais?”. E mais? Brincaria com ela por algum tempo. Tocando a pele arrepiada sem pressas, absorvendo esses odores que dão cor à química, que unem ou afastam pessoas sem lógica aparente, humedecendo os dedos nos seus espaços mais quentes, preparando caminho. “E?”, e depois, triunfando, derrubando todas as barreiras, se ainda as houvesse, entraria nela. Se eu pudesse, dizia ele, eras fodida nesse momento. Quando já estivesses a desesperar. A pingar.

“Apetece-me muito”, disse ela. Virou-se de costas para ele, despiu célere a fina blusa e a saia que, descobriu ele então, eram a única roupa que lhe cobria o corpo. Afastando um pouco as pernas, e mais ainda os braços, encostou-se à parede mais próxima insinuando as suas belíssimas nádegas, e olhando discretamente sobre o ombro disse-lhe de novo, “apetece-me muito, se puderes”.