O Sol nesta cidade tem outro brilho. Como em todas. Cada cidade tem reflexos próprios, recantos, gentes. E nós sentados numa esplanada, com a água por perto, o Sol a aquecer-nos e o turbilhão de um almoço de gente que mais do que sentar-se a manusear facas e garfos, quer rasgar-se das vestes e comer-se, não tanto comer. As tuas pernas estão encostadas às minhas, debaixo da mesa, como tantas vezes, como sempre, e disseste-me, da forma que te é muito própria, que comesse pouco. Escolher qualquer coisa levezinha, avisaste. E eu não precisei de mais. Não precisei de nenhum desenho. E a sobremesa seria a melhor do mundo. A vida faz-se de coisas assim. Simples.