Devias dar-te por satisfeito. As pessoas dizem muitas coisas e também dizem isto. Devias dar-te por satisfeito. Porque tens uns filhos lindos. Porque tens uma mulher ou um marido ou namorados que te amam, que te dão atenção. Porque tens um emprego e outros nem isso. Porque tens um carro e uma casa. Porque tens uma carreira. Porque tens amigos. Porque tudo, e porque nada. As pessoas gostam de dizer coisas. E eu ando farto de pessoas. Da facilidade com que dizem coisinhas. Logo eu que ando tão calado. Que trago os lábios tão cerrados. Não penso, não falo (e não existo).

Devemos dar-nos por satisfeitos porquê? Porque nos dizem que sim? Se calhar os filhos impediram-nos de fazer outras coisas na vida ou adiaram-nos caminhos; se calhar o marido ou a mulher não são tudo o que sonhámos, ou nós para eles, se calhar não os fazemos sentir os mais importantes, ou eles a nós, se calhar o emprego é uma merda que nos reduz a lixo todos os dias; se calhar o carro e a casa não são o que queremos, avariam na estrada ou entra água ou cai o tecto, são apenas o que conseguimos e não o que sonhamos, se calhar a carreira não nos vale de grande coisa, desaparece num momento sem aviso prévio e deixa-nos num buraco sem reconhecimento nem palmadinhas nas costas. Se calhar os amigos são Made in China. E temos de dar-nos por satisfeitos porquê? Porque acham que sim? Porque os outros acham, num exercício de condescendência paternalista, que nos queixamos de barriga cheia? Sejam pois vós gentes satisfeitas, e avaliai vós da vossa satisfação, que eu avalio da minha. Cada um avaliando por si, e fazendo pela vida, procurando a satisfação. Cansa esta coisa miserabilista, do podia ser pior, do não há males que não venham por bem, dessa coisa portuguesinha de ficar contentinho com o segundo lugar. Em tudo. Devias dar-te por satisfeito? Bardamerda. Contentinhos e satisfeitos, de queda em queda, até ficarmos gágás num lar qualquer a babar e sem saber muito bem se o pote de ouro se escondia ou não no fim do arco-íris. Nunca nos devemos dar por completamente satisfeitos. Quando um objectivo está conseguido, por mais difícil que tenha sido, olhemos à volta, porque há mais. Uma vida contentinha é pequenina. E nós fomos feitos para coisas grandes.