A verdade é que a voz segue quase muda. Um pouco mais, e seria incómodo, daquela gente que já ninguém consegue ouvir. Mas guardar coisas em sacos muito apertados é mau. O corpo sempre arranja maneira de fazer notar aquilo que vai torto, e quanto mais se fecha e guarda, mais o estrondo quando tudo sai. Seria de vazar, de fininho, como um balão que se deixe esvaziar a pouco e pouco, ou um furo pequenino num pneu, uma coisa que alivie a pressão, aqueles sismos pequenos que assustam quem não os espera mas a seguir logo tranquilizam quem diz ser normal e ajudar a evitar um grande. Mas não dá. Nem sempre dá. O que há é muito grande, é muito denso, apetece espalhar em toda a parte, pintar nas paredes, propalar com megafones, interromper as notícias na televisão. A certo ponto tememos parecer disco riscado, agulha suja, som cheio de borbotos, ruídos aborrecidos, cansativos, que já ninguém ouve, já ninguém quer ouvir. Está lá tudo, diz, está lá tudo. Vai estando. E o disco roda, com a agulha por cima. Menos mau, enquanto roda. E o buraco sempre se cava mais fundo, que é para nos deitarmos lá dentro, parecem dizer. Não se escuta. Nunca se escuta porque não é necessariamente verdade. Porque opiniões são cús, e os cús só os quero para uma coisa, certamente não para espirrar certezas pífias. Faz já muita diferença isto. É urticante, mas coçar não resolve. Escrever também não. Falar seria bom. Mas ali só existem paredes. Talvez com orelhas, talvez com olhos, talvez até quentes e pulsantes. Mas paredes ainda assim. Faltam-lhes os braços. As mãos. Uma parede que nos abraça sempre é melhor que uma parede fria. Toda a gente o sabe. As paredes também sabem.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *