Silêncio total. Os rádios estão desligados, as televisões mortas, os telefones sem rede, sem fios, sem nada. A minha boca está calada, os lábios cerrados, os dedos quietos. Em dois passos agarras o meu abraço e deixas-te ficar. Hoje é só isto, mas é tanto.