Percorrendo a casa, de porta em porta, surgem as janelas abertas e cortinas esvoaçantes, do vento que corre mais depressa, acelerado, entrando por um extremo e saindo por outro. Há camas desfeitas, lençóis perfumados e muito amarrotados, diria mesmo manchados, mobiliário um pouco fora de sítio, movimentado a impulsos, tapetes que perderam alguma da sua ortogonalidade, sapatos atirados a um canto, roupas no chão. As minhas, as tuas. A tua lingerie jaz junto à porta da rua depois de arremessada, removida a pressa e a gosto, e se referi os lençóis perfumados, tanto mais diria do ar que a casa só agora começa a perder por causa das janelas abertas, e não é de um perfume caro, mas é um perfume de luxo. É o luxo da nossa foda. Escorre foda destas paredes, o ar está carregado, nas nossas narinas entra o resultado de dias seguidos a foder, vês, aquele canto, aquela parede, aquele sofá, aquela cama, boa parte daquele chão, estas cadeiras, até a porra da bancada da cozinha e tantas destas ombreiras de porta, as janelas, vê as marcas dos dedos nos vidros das janelas, em algumas vejo até a marca dos teus pés, é um cheiro intenso a foda, mas tão bom, e não fossem as gentes que aqui possam entrar, ficava assim, a pairar no ar, a intensificar o apetite, a lembrar-nos, e tu que me dizes que não podemos continuar assim, tens razão, tens sempre razão, temos de descansar, que vamos ficar desfeitos assim, mais magro fico é certo, mas ainda assim tens razão, precisamos dar descanso, que as articulações estão fracas, as pernas bambas, os corpos marcados, com riscos e manchas, o meu caralho já me dói e a tua cona pede férias, que isto assim não pode ser, e já damos por nós caídos no chão, encostados um ao outro para não tombarmos redondos, e o ar a limpar, o cheiro da foda a sair pelas janelas, e as pessoas na rua sem o saberem a pensar em foda, a sentir vontades, entumescimentos inexplicáveis, um contágio que me faz sorrir – devagarinho, da face dorida de tanto te saborear entre as coxas -, a tua mão na minha, e acabarmos por adormecer não sem antes dizermos algo pouco perceptível mas que parecia ser a confirmação de sermos loucos. Um pelo outro.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

2 Comments

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *