Entrega-te sem medo. Sento-me ao teu lado. A tua lingerie penetra-me o olhar, deslizo a mão nas tuas pernas cobertas por meias compradas de propósito para mim, procuro-te intensamente no olhar, através do olhar, através dos meus dedos curiosos, sempre à procura do mistério em ti. Beijo-te um ombro, e avanço com a mão ao outro, querendo empurrar-te devagar contra a cama, para me perder em ti, desaparecer em ti, partilhar os suspiros e gemidos, mas tu não me deixas. Alcanças-me o braço e repeles-me. Ordenaste-me que me levantasse, e empurraste-me o corpo para fora da cama com o pé. Recostaste-te na cama, apoiada nos cotovelos, e deixaste dançar as pernas, ora abrindo, ora fechando, os teus dedos rodeando os mamilos, e a ordem para que me tocasse, para que me masturbasse para tu veres, que querias ver-me castigar este caralho, cada vez mais duro por ti. Os teus olhos escorrem tesão, o teu corpo já se mexe devagar na antecipação, e eu a sentir-me rebentar, a fazer-te a vontade, a fazer-me vir como adolescente solitário, até que te ergues e vens até mim, seguras-me o pulso com força e dizes-me pára. Que já viste a tesão que tenho por ti. Que já viste o que tenho para te dar. E agora vens cobrar. Anda cá, perto de mim, e entra em mim, fundo, faz-me doer, faz-me sentir viva.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

1 Comments

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *