Senta-te na minha boca

Tu estás sentada mesmo em frente a mim, de joelhos, e eu de pernas afastadas para melhor me chegar a ti, seguro-te o cabelo atrás da cabeça, firme, com a mão esquerda, e exerço um ligeira pressão que te limita, que te obriga a alguma tensão no pescoço. Temos os nossos olhos praticamente ao mesmo nível. A minha outra mão segura-te a nuca. Estamos despidos. De tudo. Seguro-te, e digo-te, numa voz tranquila mas determinada, que te vais sentar na minha boca. Ouviste? Eu vou deitar-me aqui, e tu vais sentar a tua cona em cima da minha boca, e eu vou como que abraçar-te as coxas, ou repousar as mãos na tua anca, admito até que, a espaços, alcance os teus seios. Mas o importante é que a tua cona vai estar na minha boca, e eu vou beber de ti, vou percorrer todos os milímetros do teu corpo mais secreto, vou saciar-me, ficar com o teu cheiro marcado na minha pele, vou degustar-te. Seguro ainda o teu cabelo e a tua nuca enquanto termino de to dizer, e leio alguma surpresa no teu olhar, e prossigo, vais vir-te na minha língua, quando o teu corpo entrar num ritmo frenético de um orgasmo, quando eu finalmente te deixar vir depois de altos e baixos, vais massacrar-me o rosto, vou ficar dorido, vais deixar-me as orelhas vermelhas, vais lançar os braços ao ar, nem vais saber o que fazer com eles, se te apoias na minha bacia atirando-te para trás, se te apoias na parede próxima, se puxas os teus cabelos ou pior que isso, os meus, que são poucos. Vir-te-ás na minha boca. E vais gostar. E eu vou gostar também. É assim que vai ser. Não tens palavras que me digas, nem grande latitude para menear, assentindo com a cabeça, mas percebo que a ideia te agrada, porque mordes o lábio. E percebo que a ideia te agrada sobretudo porque quando finalmente ajeitas o corpo e a tua cona toca os meus lábios e a minha língua, é um oceano de prazer que sinto, sou invadido por um néctar inconfundível. Tu estás feliz e eu também. E as promessas cumprem-se. Começam as hostilidades, entre as tuas coxas consigo ouvir-te repetir o meu nome por entre gemidos, e já sabes onde isto vai parar.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *