Vem comigo, vamos ali passear, sentarmo-nos à mesma mesa, competir com as nossas pernas debaixo da mesa pelo mesmo espaço. Vem comigo que te amparo nesses caminhos de pedra irregular, não deixo que balances demasiado nos sapatos senão o balanço da minha canção de te embalar docemente nos meus braços. Vamos fazer essas curvas e contracurvas, até lá acima, até onde a vista alcança e tudo se vê, e pode ser que não passe gente, e pode ser que não passe ninguém, e eu te segure com apetite, ou tu me conquistes com o corpo sentado sobre o meu, vem-te comigo vem, que está calor e as tuas pernas despidas estão à minha vista, e tu provocas-me, ajeitas-te para que tas coma com o olhar ainda antes de me deixares que as toque com as mãos, que o meu caralho suba em ti ou tu desças em mim, tanto faz, é o que é, como é. E sinto os teus dedos apertar-me, e o teu lábio a morder-se, e tu a dizer-me que me deixas desfeito, que me vais deixar marcado, como ferro em brasa, vais cravar-me amor na pele, e eu já estou por tudo, e já estou em ti, e tu a morderes-te, a apertar-me, a fincar o teu corpo no meu como quem se agarra para não cair e nunca mais voltar, e dizes-me que se eu te amarrar, se eu te amarrar talvez esteja seguro. Talvez.