Deixa que te diga que essas mãos se merecem. Que há momentos em que as pernas não seguram o peso e fraquejam, há espasmos que dominam e desafiam o equilíbrio, e ainda assim, deixa que te diga, que essas mãos se merecem. Há alturas em que os corpos se esmagam, ora um contra outro, ora aquecendo paredes, ou superfícies de amor, e merecem-se. Deixa-me dizer-te que há lábios que se pertencem. E que pertencem a ombros, a pescoços, a mamilos ou ao interior de coxas, a outros lábios. Pertencem-se. Como os olhares. Dizem que são espelhos da alma, e se calhar são mais que isso, podem ser espelhos uns dos outros, ou sinais de que as almas são iguais. Que se merecem. Deixa que te diga que há chuveiros onde estes corpos merecem foder-se. Que há banhos que precisam partilhar-se sob pena de se tornarem em desperdícios de água em rotineiros hábitos de solidão higiénica que arrancam pedaços das peles que se completam e as levam para o mar. Não estranhes que te diga que há sofás que não foram feitos para ver televisão, muito menos para receber visitas, foram feitos para dar geometria aos corpos que se misturam, aos caralhos e às conas que brincam às escondidas, às gentes que nem sequer sabem muito bem o que fazer umas com as outras, do tanto que há para se fazer.