Vou avançar para a tua cona, estou a avisar-te! Leva-me a sério, olha que não brinco, e vou directo. E tu animas-te, enquanto os nossos braços se misturam a arrancar roupa, e eu já rebento em mim e tu já pingas por mim e estamos a unir os nossos esforços da melhor maneira possível para um fim comum que é o de não se conseguir dizer muito bem onde começa o corpo de um e acaba o do outro, e de haver suspiros e toda a natureza de sons primários de prazer emitidos junto ao ouvido um do outro, e outras vezes nem tanto, depende das posições em que nos entregarmos à foda, esta foda valente que nos trata da saúde e mata a fome, esta fome pá, esta fome, e eu que te tinha dito, que te ia à cona, que a queria comigo depressa, e tu a recuar, e a zangar os joelhos um com o outro, a deixá-los distantes, para que do meu caralho até ti não fosse um passo, não fosse nada, fosse só deslizar, e afinal eu vou, sim, mas avanço entre as tuas coxas, beijando e lambendo, deliciando-me com o teu sabor antes de qualquer outra coisa que nos ocupasse. E tu a pensar que é diferente este gajo. E é mesmo. Mas eu tinha avisado, e era justo, porque me havias dito que depois de te provar, não quereria outra coisa. E foder-te não era provar-te. Era parte de provar-te. Provar-te era sentir o teu sumo na minha língua, entender os sabores que te fazem entrar pelo nariz como garras que não soltam. Provar-te é foda gourmet, é comer e dar-te de comer como nunca antes e nunca depois. E tu a pensar que este gajo é diferente. E eu a provar-te. E depois, afinal, havia razão. Depois de provar-te, e sobre a diferença. E esses joelhos zangados, e essa cona à minha espera, e o meu caralho a voar em ti, e os nossos olhos, e palavras sem grande nexo, apetecer dizer foda-se pá que é isto? Que caralho pá, e a foda, esta foda pá, esta foda… foda-se se fosse só esta foda nem era preciso provar-te nem ser um gajo diferente.