Humidade

E agora? Flores com cartão? Chocolates? Não. Vais à minha frente e deixas correr a água. Quero-a bem quente, quase a escaldar. Como se gosta. O vapor vai preencher o espaço, o calor vai colar-se a nós, gotículas na nossa pele, uma humidade que soma à humidade, e então eu irei ter contigo, e deixarei cair a minha roupa. Vais percorrer o meu corpo com as tuas mãos escorregadias, vais lavar-me a pele, suja do teu não estar, vais deslizar os dedos no cabelo e puxá-lo um pouco, naquele limite que tu sabes, para trazer o meu ouvido à tua boca. Vais colar-te a mim. E não vais precisar de flores, chocolates ou cartões.

Posted in Crónicas curvas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *