Any given Sunday

O que eu gosto de estacionar o carro, à beira do mar ou do rio, num final de tarde, e dormir uma sesta, não tem explicação. Também gosto (diria, prefiro) de carícias, mimo, cuddling. Mas por ora, fiquemos em dormir uma sesta. E dei por mim num local que conheço muito bem, ao pé do rio, onde vi a água picada pela brisa e os barcos passar, o Sol a cair sobre o mar, e eu num estado de transe, a dormitar embalado pelo barulho de pessoas que passavam. Quando lá cheguei, estava já um automóvel estacionado em local recuado naquele amplo recinto, local que nada interessava para ver o rio ou as pessoas passar. E quando acordei e por fim me retirei, o carro ainda ali estava. E eu olhei, por escasso instante, para confirmar o que sabia. Lá dentro e no banco de trás uma mulher repousava (forma de expressão, suspeito), sentada ao colo do seu homem, com os cabelos caídos e ela também caindo sobre ele, num beijo que adivinho longo e numa coreografia ritmada. Sorri. Sorri com gosto cá dentro, e deixei-me levar para outros dias no intrincado das minhas sinapses.

Posted in Crónicas curvas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *