Deixar pingar

Se fosse primavera poderia dizer que era alergia. Se fosse conjuntivite, poderia dizer que era doença. Se estivesse a rir agarrado à barriga, poderia dizer que era graçola. Se me tivesse morrido alguém, podia dizer que era tristeza e ausência irrecuperável. Tivesse eu caminhado à chuva e poderia dizer que era isso. Mas assim, assim só posso dizer que és tu. E deixar pingar.

Posted in Crónicas curvas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *