Quando chegar ao fim, estarei estendido, distendido, jorrado no pavimento. Esbatido do Sol, farrapo de mim mesmo. Quando chegar ao fim, depois de tudo, depois de todos, entregue a mim mesmo, estarei de vestes rasgadas e pele suja, cabelo branco ralo, e ouvidos moucos, de sons despidos. No fim, no fim de tudo, zangado, verei a raiva escorrer-me pelos dedos, torneiras de mim mesmo, gotas que dão lugar a fios e por fim rios e torrentes de lama e pedras. A minha casca partir-se-á, cairá tudo por terra, serão os braços terminados em punhos cerrados e murros no chão, que abrirá fendas, fará tremer tudo em redor, e dos buracos abertos serei eu mesmo engolido.

Quando chegar ao fim, respirarei ainda. E do cinzento das nuvens que correm, far-se-á azul de novo. E talvez abra os punhos, talvez feche ainda os braços, e fechando-os sobre ti, talvez rolando um e outro num abraço, a raiva que dos dedos escorria dê lugar ao carinho que apaga a zanga. Quando chegar ao fim, talvez estendido, sim, mas de cabeça ao teu colo, sentindo os teus dedos correr-me o cabelo já gasto, a barba curta, dizendo-me ao ouvido, baixinho, sou tua, sou tão tua.