Não voei. Fiquei com os pés no chão como querias. Suponho que tivesses medo, muito medo de que algo me acontecesse. Não querias que fosse eu mais um a contar para os dias tristes. Fiquei, por isso, sentado em terra. A olhar o Sol que desaparecia todos os dias quando o silêncio finalmente se instalava. Hoje, hoje mesmo, estou de novo com os pés em terra. Precisado de mimo. Mimo ontem, mimo hoje, mimo sempre. Mesmo quando somos fodilhões, somos sedentos de mimo. Ninguém é fodilhão todas as horas do dia. E hoje não é dia disso. Hoje é dia de coração apertado. É dia de mãos na cara e um beijo. É dia de abraço. De mão no cabelo, embalo. E por isso é o Sol de novo que se põe, num céu diferente. Com o silêncio.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *