Estávamos naquele quarto generoso, entre espelhos, madeira e alcatifa escura, com uma enorme cama ao centro, e tu acabada de sair de um duche, enrolada numa toalha, enquanto eu te observava encostado a uma divisória, à direita.
– E então, João? Conta-me lá o que me vais fazer.
– Hmm, vou atirar-te para cima da cama.
– Só isso? Assim? Atiras-me para cima da cama?
– Não. Vou deitar-me ao teu lado, enquanto te beijo os mamilos, e as minhas mãos passeiam por ti, sem limite de velocidade nem sentidos proibidos.
Começaste a morder o lábio, e eu prossegui.
– E depois vou virar-te de costas para mim, vou agarrar-te com firmeza, e puxar-te ora os braços, ora o cabelo, enquanto entro em ti. Umas vezes mais devagar, outras à bruta, até gemeres.
– Continua João, por favor…
– Vais apanhar umas palmadas nessas nádegas, e quando te apertar a cintura com força, puxando-te contra mim, vir-me-ei dentro de ti sem medo, porque te quero ver pingar de mim, quero ver-te escorrer entre as pernas, quero ver-te exausta, como eu.
– Vais fazer-me tudo isso João? És capaz? – e mordias de novo os lábios – não será só garganta? Marketing?
– Anda cá ver.
A tua toalha caiu, e o teu corpo foi atirado para cima da cama, e pouco depois sentias os teus pequenos lábios abrir-se, dando-me passagem, e ouvia-se baixinho “João, João, fode-me João…”.