A Geografia das Curvas

Enquanto não houver amanhã

Parecerá que fomos arrastados. Dirão que não há mais, que tudo se fechou, que não corre mais. Hão-de encolher os ombros e dizer que foi vento, que foi coisa de crianças, brinquedos e imperadores, risos de um Verão antecipado, inconsequências e inconsciências. Enquanto não houver amanhã será como se as linhas que divergem jamais se […]

Posted in Crónicas curvasLeave a Comment on Enquanto não houver amanhã