É esquisito, isto

Apesar da memória selectiva, que fazia esquecer no nevoeiro muitas das coisas, ele sempre soube as datas importantes. Aqueles momentos que marcam, e que nunca se esquecem. O tempo acelerava em direcção aos 5 anos. Dali a poucos minutos, completar-se-iam 5 anos desde a primeira vez que estiveram juntos, e um pouco menos desde que se separaram, quando, a passos largos, a realidade os afastou. O relógio no pulso dele continuou a fazer tic tac. O inexorável tic tac. Preparou a mensagem, e ao minuto certo enviou-a. Ainda te lembras? Apenas esta pergunta. Pousou o telefone sobre a mesa e ficou-se, a olhar para ele, até ser tomado pelo sono e dar um salto quando chegou uma mensagem na volta dos gigahertz. Estou pronta. Só isto. Estou pronta. Estas duas palavras serviam para quase tudo, mas ele sabia muito bem o que significava. Era o sinal para avançar, era a maneira de dizer que tudo no corpo dela estava com fome dele, com vontade de suar de novo, de ficarem os dois a pingar. Literalmente. Não podia ser difícil. Nunca havia sido. Se havia coisa que os dois faziam bem era sujar-se.

E quando voltaram a pingar, como se nos trópicos, parecia que não havia passado tempo algum, parecia que tinham continuado colados desde sempre, sem interrupções. Como se a memória muscular ainda ali estivesse, intacta. É impressionante. Nem juízo nem mudança. Continuava ali tudo. E então disse “é esquisito isto”. Esquisito, pensou, é a ausência. Compreensível, mas esquisita. Daqui a 5 anos de novo? Não. Era demasiado tempo. Vamos vendo, disse. Vamos vindo.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

2 Comments

  1. Há pessoas que passam pelas nossas vidas que deixam marca por muito tempo que passe, por muitas direcções opostas que os rios de compromissos e obrigações tomem. Sempre que a presença chega o corpo reage com prontidão e prepara-se na expectativa que tudo regresse, ignorando o tempo que passou.

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *