As mulheres sabem sempre. Foder é uma arte e as mulheres sabem sempre quem está a entrar nelas. Sabem sempre se estão a fazer amor com elas, ou se as estão a foder, mesmo quando estão a foder fazendo amor.  A arte da foda não é para quem quer, é para quem pode, quem consegue, quem sente. A arte da foda não é para os grandes pénis, para os musculados, para os elegantes. A arte da foda não é para o macho comum, vulgar de Lineu. Para o bárbaro, a herança do macho que perseguia bisontes. A arte da foda é para o macho que se distancia dos raciocínios da matilha, que corre e concorre para esvaziar os tomates e a seguir partir para outra. A arte da foda é para o macho que se funde nas fêmeas, que as ama nos seus detalhes, nos pequenos odores, nos pequenos toques, nas palavras cuidadas que passam dos lábios às orelhas como brisas quentes que confortam em dias frios.

A arte da foda não é foder e partir. É amar e ficar, tapar, aconchegar. É cuidar. A arte da foda é fazer vir, com mãos quentes, com corpo quente, com olhar penetrante que fala melhor e mais fundo do que o mais prolixo dos escritores. A arte da foda é soltar os corpos sem lugares comuns nem receios, ir ao encontro do que se gosta e quer, despir a máscara com que se sai da cama de manhã assim que se acorda. A arte da foda é ignorar tudo e ceder ao prazer em qualquer lugar, passe gente ou não, haja cama, mesa ou chão. Correr riscos, ficar-se ofegante, dizer-se que não se tem juízo nenhum, que se é louco, que nunca se sentiu nada assim. A arte da foda é explodir, ficar-se mais molhado do que num dia de chuva. A arte da foda é não temer o cansaço que vem depois, é antecipá-lo e sorrir, com vontade de repetir. A arte da foda é amar. Amar foder e ser fodido amando.