Foi entre garfadas de arroz com maionese de wasabi que olhei para duas crianças que estavam sentadas não muito longe, acompanhadas pelos pais, levando-me a comentar o corte de cabelo delas – as crianças -, pente zero ou perto de zero de lado, e em cima cabelo comprido como que lambido por uma vaca. Comentei: já viste o cabelo daqueles rapazes? Aquilo está muito para lá de um corte de cabelo “à foda-se”.

Nessa altura desceu em mim uma revelação. Tive uma epifania. Estamos limitados pelo foda-se. Na verdade, o foda-se é como o limite do Universo. Para lá do foda-se só está o vazio, o nada, o “não ser”. Em suma, o foda-se marca o limite. Para lá dele, verbos como ser e estar não se aplicam. São as trevas.

A língua portuguesa é extremamente rica. Tanto, que é possível dar-lhe grandes pontapés e ainda assim parecer selecto na escrita, é possível usar as entrelinhas para lá esconder palavras preciosas que pouca gente consegue ler. Na língua portuguesa tudo se diz, tudo se faz, e com grande qualidade. Mas não se conhece palavra que substitua ou vá além de um foda-se quando toca a qualificar o limite de alguma coisa. Quando tudo está perdido, está tudo fodido. Mas, se nos precipitarmos e dissermos que está tudo fodido antes de a coisa piorar, como fazemos? Há mais alguma coisa para lá de fodido? Se vemos algo de inacreditável exclamamos um sonoro foda-se. Mas e se logo a seguir virmos algo ainda mais inacreditável? O foda-se está gasto. Há alguma coisa que possa dizer-se a seguir a um incrédulo foda-se que o ultrapasse? Que lhe adicione dimensão? Valor? Não. O foda-se é um limite intransponível. Não há como estar mais fodido do que fodido. Uma fodanão é cumulativa. Nós não estamos pouco ou muito fodidos. Estamos fodidos e pronto! Ninguém diz “estou muito fodido”. Ninguém diz “foda-se esta foda”. Não. Há a normalidade, há o momento do foda-se, e há o silêncio.

O cabelo das pobres criancinhas, como que lambidas pela língua de uma vaca, não pode estar para lá de um cabelo “à foda-se”. Seja isso o que for – as explicações variam -, um cabelo “à foda-se” é o limite. Se o delas, ao meu olhar, me pareceu incrível, terá sido isso, ou até menos, mas nunca além de.

O ridículo não conhece limites. A estupidez não conhece limites. Há muitas coisas que, comprovadamente, não conhecem limites. A foda sim, a foda conhece limites. A foda é o limite.