Eram muito provavelmente de lycra as calças que ela tinha vestidas. Eram brancas, e tão justas, mas tão justas, que a vulva se desenhava mais perfeita do que seria visível se estivesse nua. De certo modo, aquela imagem era de uma nudez mais nua que a nudez. As formas acentuadas, o jogo de pequenas sombras, cortes e recortes, arcos, altos e baixos. Abriu-me a porta nesses preparos. Com as tais calças justíssimas brancas que desnudavam as formas da cintura até aos pés, e um soutien também branco, muito simples no desenho, opaco, sem adornos de qualquer tipo. Com uma particularidade apenas. Abria à frente. Conveniente.

A face escondia-se. Era uma máscara que cobria um pouco mais do que os olhos. Não era suficiente para ocultar aquela face ao ponto de jamais se reconhecer num outro encontro, mas a dúvida que permitia era bastante para manter algum segredo. Todas as mulheres naquela casa tinham essa máscara. Os homens não. Os homens tinham máscaras completas, que ocultavam as suas identidades sem margem para erros. Ultrapassada a porta e percorrido um corredor bastante longo, abria-se sob o nosso olhar um enorme salão de fraca luz, com paredes, chão e tecto negros. Havia carne por todo o lado. Homens e mulheres completamente despidos que se entregavam a um sexo de ânimo variável. Talvez nem o reino animal, daqueles irracionais, tivesse tal coisa. Talvez apenas o Homem fosse capaz de se amontoar em algo assim, brandindo erecções que rompiam por vaginas, anús e bocas, ejaculações barulhentas, pernas abertas em ângulos nunca vistos, gemidos estranhos. Ali não existia nada de emocional, de romântico. Aquilo era foda. Pura, mas não simples.

Num espaço ainda disponível daquele salão ela removeu as minhas vestes e também as dela. As dela, aliás, desapareceram com ajuda. Puxei-lhe a roupa com alguma violência, revelando as humidades que procurava. Era tudo muito intenso. Atirou-me para o chão, ela, e arqueando as pernas ajoelhou-se sobre a minha cara. Conseguia ver a vulva dela descer sobre mim, e removi a máscara para a lamber. Sei que ela não viu quem eu era até depois do orgasmo. Depois de o ter, deixou a cabeça tombar um pouco, e ao separar a vulva molhada da minha boca, olhou-me finalmente nos olhos e em seguida identificou-me. O espanto levou-a a uma retracção momentânea das pernas, fechando-se. Mas a necessidade de se controlar era superior. Coloquei rapidamente a minha máscara, cobri o corpo, e levantei-me, deixando-a deitada no chão, de lado, a observar-me rodeada por corpos que continuavam em fodas, e mãos estranhas que por vezes mudavam de corpos e lhe tocavam. Era tudo tão frenético, ali, que ainda eu estava a virar as costas com ela a olhar-me, e já outro pénis a começava a penetrar sem que ela parecesse sequer dar-se conta disso, tão fixa que estava, tomada pela surpresa.

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

1 Comments

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *