Manual de Sobrevivência para machos latinos

5. Das falsas puritanas

Perdoe-me o leitor – não me refiro às leitoras, a quem talvez as observações de um macho não interessem – mais sensível dos olhos por ter de usar impropérios na sua melhor forma, mas é essencial.
Feito o aviso, posso contar-vos de um macho meu amigo que dizia “As mulheres são todas iguais, querem é foder”. Este mesmo macho observava diversas vezes como “elas são umas vacas”, “umas mulas” ou apenas “umas porcas fodilhonas”. Com efeito, a capacidade existe. Se sabem ou não fazê-lo bem, é outro caso.
Aceitamos a promiscuidade das nossas amigas ou desconhecidas, mas não a das nossas mulheres. E porque as nossas amigas são as mulheres de alguém, tem-se que as fêmeas raramente admitem uma sexualidade plena e demonstram um puritanismo deslavado, pouco consistente, com expressões de reprovação quando o tema de conversa no grupo de amigos é sexo. Acho curioso, ainda assim, que nunca nenhuma tenha arredado pé. Há o silêncio e a reprovação por um lado, e por outro dois ouvidos muito atentos que bebem com sofreguidão as conversas depravadas de alguns machos. Da depravação, saudável até certo ponto, esperam talvez confirmar que afinal há mais alguém com as fantasias delas, ou quem sabe aprender novas formas de encarar o sexo. O macho deve desconfiar sempre das caladas e das sonsas. Provavelmente são elas as “porcas fodilhonas” de que esse meu amigo falava. Tão porcas e tão fodilhonas ao ponto de fazer corar o mais atrevido dos machos.

@2003-10-19 22:10

João Por baixo, de lado, por cima

O João é Geógrafo físico e produtor de metano. Para além da geografia e da escrita, interessa-se também por fotografia, cinema e bolos da pastelaria do Manuel Natário em Viana do Castelo. E por mulheres, também. Não necessariamente por esta ordem, e nem sempre em separado. É um palhaço, não raras vezes um idiota, e até mesmo um cabrão, segundo opiniões conhecidas.

Your comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *