2. Da fêmea e dos paus-mandados

“És um idiota!” – foi o melhor cumprimento que em tempos recebi de uma fêmea da minha espécie. Somos todos uns idiotas, com muito gosto sim senhora! Idiotas porque tardamos – na maior parte dos casos – a perceber que as mulheres dominam o mundo de acordo com aquilo que lhes é aprazível.

Deixo para outro capítulo os domínios de controlo feminino – de que a alcova é o melhor exemplo – e dedico-me desta feita apenas a alertar esses machos desatentos para a realidade que nos rodeia. É ela simples e directa: a mulher manda, o macho obedece. Mesmo aquele que se entende como macho-man é, na crua verdade, o maior dos paus-mandados. Pau-mandado, em sentido literal: Usa, não usa. Mete, não mete. Tudo ao prazer da mulher. Ela manda, o pau obedece. Quando obedece, que nisso a idade também conta, assim como o jeito, que não é de nascença.

Na verdade, ó tu, macho desatento, repara como o teu sucesso de macho conquistador depende das mulheres. Se julgas porventura que vais ter festa logo à noite, podes ter, ou não. Mas se a mulher pensar assim, tem na certa. Consciente deste facto, não julgues nunca que seduzes uma mulher. Antes, és levado a crer que a seduzes, porque quando julgas seduzir, já ela se deixou seduzir. O macho não escolhe a fêmea. É escolhido. E não sabe. O macho não come a fêmea. É comido. E também não sabe.

@2001-01-28 17:12