A Geografia das Curvas

Lento

Passei a porta e ela fechou-se atrás de mim. Estavas à espera e fizeste-me sinal, apressada, enquanto me ordenavas “não digas nada”. Depois empurraste-me contra a parede e pressionaste o teu corpo contra o meu, primeiro com suaves movimentos de quem se ajeita, depois imóvel, em absoluto silêncio, de cabeça encostada a mim, o teu […]

Posted in Crónicas curvas1 comentário em Lento

Nunca guardes os teus inimigos no bolso das calças

A sabedoria popular manda guardar os amigos perto, e os inimigos ainda mais perto. É como ter os amigos no armário enquanto que os inimigos se transportam no bolso das calças, perto, pertinho, ali ao nível das gónadas, porque há pouca coisa tão preciosa para um homem quanto as gónadas, de onde ele veio, e […]

Posted in Crónicas curvas1 comentário em Nunca guardes os teus inimigos no bolso das calças

A faca longa

Naquele tempo fizeram-lhe mal. Há gente a fazer mal a outra gente todos os dias, todos os minutos. Umas vezes sabendo, outras não. Por vezes querendo, por vezes sem conseguir evitar. Mas ali sabia-se, e queria-se. Não havia inocência, não havia inconsciência, havia astúcia, não sei se inteligência mas esperteza claramente, e não era saloia, […]

Posted in Crónicas curvasLeave a Comment on A faca longa

Lúcia

A Lúcia não era a rapariga mais bonita da escola a rapariga mais bonita da escola, naqueles tempos, era outra. Suponho que era isso que fazia realmente a diferença, aos onze anos ou coisa parecida não escolhemos exactamente as paixonetas pelos valores ou planos de vida, escolhemos pela cara bonita, pelas mamas, enfim, pela embalagem, […]

Posted in Crónicas curvas4 comentários em Lúcia